MASP

Tuesday Smillie

Encontro/Join, 2019

  • Autor:
    Tuesday Smillie
  • Dados biográficos:
    Boston, Estados Unidos, 1981
  • Título:
    Encontro/Join
  • Data da obra:
    2019
  • Técnica:
    Óleo, spray, latenjoula e alfinete sobre tecido
  • Dimensões:
    183,5 x 205,5 cm
  • Aquisição:
    Doação Rose Setubal e Alfredo Setubal, no contexto da exposição Histórias das mulheres, histórias feministas , 2019
  • Designação:
    Pintura
  • Número de inventário:
    MASP.10884
  • Créditos da fotografia:
    Eduardo Ortega

TEXTOS



Em sua produção, Tuesday Smillie parte de referências dos ativismos transfeministas, queer e LGBTQI+, seja por meio de imagens de protestos e ações coletivas desses grupos ou por meio da palavra, inspirada na literatura que desafia papéis de gênero. Em Histórias feministas, Smillie apresenta três obras da série Banners [Faixas], tomando como base as faixas confeccionadas para protestos de rua. A durabilidade e a maleabilidade do tecido o transformam em um suporte ideal para a veiculação de mensagens. Os banners de Smillie são elaborados a partir da sobreposição de diferentes tecidos, estampas e, por vezes, contas, bordados, tinta óleo ou spray e a inserção de uma frase. Em Together [Juntxs], de 2017, é possível ler em inglês a frase “Juntxs: forca na diferença, segurança nos números”, que sintetiza uma das propostas dos ativismos queer: a afirmação de que, por meio da união, as pessoas possam se sentir seguras em suas diferenças. Isso reforça a pluralidade da ideia de gênero e de sexualidade, apresentando‑os como espectros complexos e fluídos. A obra Again [Outra vez], de 2017, por sua vez, traz a frase: “As lâmina que nos engolimos irão nos cortar de novo enquanto nós as cuspimos, para cortar‑nos umas/uns as/os outras/os” e aborda a reprodução de sistemas de opressão que se busca combater. Por fim, Encontro/Join, de 2019, realizado especialmente para esta mostra, parte da leitura do livro O local da cultura (1998), do teórico indiano‑britânico Homi K. Bhabha, no qual é citado um trecho de Amada, livro da escritora afro‑americana Toni Morrison, para afirmar um desejo profundo de solidariedade social. A frase “Quero o encontro” foi fixada com alfinetes, podendo ser modificada e traduzida de acordo com o idioma do local que irá receber a obra, estabelecendo vínculos e afetos para além das fronteiras nacionais e linguísticas.

— Isabella Rjeille, curadora assistente, e Leonardo de Souza Gimenes Antiqueira, integrante da equipe de curadoria, MASP, 2019


Fonte: Adriano Pedrosa, Isabella Rjeille e Mariana Leme (orgs.), Histórias das mulheres, Histórias feministas, São Paulo: MASP, 2019.



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca