MASP

Thomas Lawrence

George IV como príncipe-regente com as insígnias da Ordem da Jarreteira, Sem data

  • Autor:
    Thomas Lawrence
  • Dados biográficos:
    Bristol, Inglaterra, 1769-Londres, Inglaterra ,1830
  • Título:
    George IV como príncipe-regente com as insígnias da Ordem da Jarreteira
  • Data da obra:
    Sem data
  • Técnica:
    Óleo sobre tela
  • Dimensões:
    74 x 61,5 x 2,5 cm
  • Aquisição:
    Doação Assis Chateaubriand, 1950
  • Designação:
    Pintura
  • Número de inventário:
    MASP.00449
  • Créditos da fotografia:
    João Musa

TEXTOS



A obra George IV como Príncipe-Regente com as Insígnias da Ordem da Jarreteira foi apresentada à Christie’s por Lady Strathcona and Mount Royal, filha de Donald Alexander Smith, 1º barão de Strathcona and Mount Royal (1820-1914). Político inglês de grande projeção com conexões profundas com o Canadá, Donald foi também presidente do Banco de Montreal. É impossível afirmar se a obra estava em poder de sua família desde o momento da encomenda, pois encontrava-se em um leilão em Veneza no imediato pós-Segunda Guerra Mundial. O retrato representa George IV, príncipe-regente desde 1811 (quando é oficialmente declarada a cegueira e a insanidade mental de George III) e rei da Grã-Bretanha e Irlanda a partir de 1820. O modelo da obra do Masp é o grande retrato (295 x 203 cm) conservado no The Hugh Lane Municipal Gallery of Modern Art, em Dublin, presenteado pelo regente à cidade e destinado à Mansion House em c. 1818. (Garlick 1989, p. 193, n. 325d). O retrato de Dublin representa-o de corpo inteiro com as vestes e insígnias da ordem da Jarreteira (The Most Noble Order of the Garter) e a mão sobre a Table des Grands Capitaines, encomendada em 18o6 por Napoleão e ofertada por Luís XVIII ao príncipe-regente em 1817. É difícil avaliar de modo conclusivo o grau de participação direta de Lawrence em casos de derivação como este. Embora a qualidade muito elevada advogue a autografia ao menos parcial da obra, o fato de se tratar de um busto deve induzir fortemente a pensar que seja um produto de ateliê, talvez com a participação direta do mestre. Como escreve Garlick a propósito do exemplar de Dublin: “this portrait established the type for the official portraits of George IV as Regent and King. After his accession the hat of the Garter is replaced by the crown”. E conclui: “A large number of replicas or part-replicas, copies and variants were produced, and the 6th Duke of Devonshire recalled (Handbook to Chatsworth, 1845) going with William IV to a room in Kensington Palace which was full of them. In a few cases Lawrence painted the greater part himself, but in the majority the work is wholly or largely by studio assistants”.

— Autoria desconhecida, 1998


Fonte: Luiz Marques (org.), Catálogo do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo: MASP, 1998. (reedição, 2008).



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca