MASP

Serigrafistas Queer

Lucha libre contra el racismo – La bolita berlinesa, 2014

  • Autor:
    Serigrafistas Queer
  • Dados biográficos:
    Buenos Aires, Agentina, 2007
  • Título:
    Lucha libre contra el racismo – La bolita berlinesa
  • Data da obra:
    2014
  • Técnica:
    Serigrafia sobre papel
  • Dimensões:
    22 x 33 cm
  • Aquisição:
    Doação das artistas, no contexto da exposição Histórias da sexualidade, 2017
  • Designação:
    Gravura
  • Número de inventário:
    MASP.11095
  • Créditos da fotografia:
    Eduardo Ortega

TEXTOS


Por Anelise Valls
Na exposição Histórias feministas: artistas depois de 2000 (MASP, 2019) o não-grupo argentino Serigrafistas Queer participou com um corpus de frases e imagens reflexivas e críticas em bandeiras, cartões, pôsteres, peças de roupas que aludem a políticas sexuais e de identidade. Cada matriz de estampagem e seus slogans fazem parte de um conjunto de experiências que ganham o espaço público no contexto da Marcha do Orgulho LGBTIQ que acontece todos os anos em diferentes cidades da Argentina. Através de intervenções e ações gráficas, todos os códigos abertos criados são disponibilizados para serem facilmente reapropriados e criar novas alianças políticas em diferentes lugares. Desses encontros criativos emergem o amplo repertório de denúncias e provocações, dentre os quais destaca-se reivindicações sobre direitos reprodutivos Mi cuerpo mi decisión, Aborto legal es vida, e discursos que são associados às lutas pela emancipação dos corpos e das sexualidades não normativas: Fanchona Sapatão Torta Caminhoneira Lesbiana, Ni Varón, Ni Mujer, Ni XXY, Ni H20, Archivo Nuestro Tiempo, Nuetro Deseo, Nuestras Voces, Somos Malas Podemos ser Peores, Amo a mi mamá travesti, Estoy gay, Sos re linda Ley 26.485.

— Anelise Valls, mestre em Filosofia da Arte, USP, 2021





Por Isabella Rjeille
Após a organização de uma oficina de serigrafia durante a manifestação do Orgulho LGBTQIA+ em 2007 em Buenos Aires, formou-se o não-grupo Serigrafistas Queer [SQ]. Composto por artistas, ativistas e público espontâneo, xs SQ organizam encontros e oficinas nas quais compartilham técnicas de impressão para produção de serigrafias em tecidos e papéis. Cada frase é decidida coletivamente nos encontros e surgem das urgências trazidas pelxs integrantes deste não-grupo. Em 2017, xs SQ participaram da exposição Histórias da sexualidade no MASP, que resultou numa oficina no vão livre. Em 2019, mostramos um conjunto de 45 serigrafias que pertenciam ao Arquivo Serigrafistas Kuir na mostra Histórias feministas, da qual fui curadora. Na ocasião, buscamos as histórias por trás de cada trabalho e as mostramos juntos – histórias pessoais e coletivas de luta e resistência ao longo de quase 10 anos. Uma das serigrafias que me marcou foi Corpo Traesnho de Matheusa Passareli, artista (assassinada em 2018 no Rio de Janeiro) que participou da oficina no MASP. Esta serigrafia foi impressa pelxs SQ em sua memória. Em um tecido as letras pontilhadas formam a frase Corpo Traesnho, termo criado pela artista para explicar a sua avó quem era sem ter que recorrer a palavras estrangeiras (segundo relato de sua irmã, Gabe Passareli). Não conheci Matheusa pessoalmente, mas fui atravessada pela terrível notícia de sua morte e pelo sentimento de absoluta revolta contra todas as estruturas de opressão que proporcionaram com que sua vida fosse levada prematuramente. Hoje, este conjunto de serigrafias pertence ao acervo do MASP , que deve preservá-lo e mostrá-lo, para que essas histórias jamais sejam esquecidas.

— Isabella Rjeille é curadora no MASP, 2020




Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca