MASP

Sessão 4 | 22 e 25.9

Histórias afro-atlânticas: filmes e vídeos exibe o documentário Balé de pé no chão: a dança afro de Mercedes Baptista, dirigido por Lilian Solá Santiago e Marianna Monteiro. O filme acompanha a trajetória de Mercedes Baptista, a primeira mulher negra a integrar o corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Considerada a principal precursora da dança moderna afro-brasileira, a bailarina – de formação erudita – sistematizou um repertório de movimentos baseados nos gestos sagrados dos terreiros de candomblé.



Na década de 1950, a artista fundou o Ballet Folclórico Mercedes Baptista, dedicado à formação de bailarinos negros e à incorporação da cultura afro-brasileira nas pesquisas em dança inspirada em suas experiências com o Teatro Experimental do Negro, fundado e dirigido por Abdias Nascimento – que participa do documentário com depoimentos históricos.



PROGRAMA



Balé de pé no chão: A dança afro de Mercedes Baptista

Lilian Solá Santiago (dir.) e Marianna Monteiro (dir.), 2005

51’, cor, digital

Programação

sab e ter | 16h
Sessão 1 | 1 e 4.9

O programa Histórias da afro-atlânticas: filmes e vídeos tem início com a exibição de quatro curtas-metragens brasileiros. No sábado, a sessão será seguida de um bate-papo com o diretor Jeferson De que, além de comentar sua própria produção, também compartilhará suas perspectivas em relação ao atual contexto do audiovisual no Brasil.



Desde o final da década de 1990, uma geração de diretores e profissionais vem fortalecendo o debate sobre a construção da imagem do negro no cinema brasileiro e sobre diversidade étnico-racial no setor audiovisual. Jeferson De é autor do manifesto Gênese do cinema negro brasileiro, cujas diretrizes refutam qualquer forma de representação estereotipada e priorizam o protagonismo negro, tanto no elenco como na direção.



A sessão exibirá também os curtas-metragens Gênesis 22 (1999), e Carolina (2003), este sobre a história da escritora Carolina Maria de Jesus, importante porta-voz da condição da mulher negra no Brasil. O programa conta também com duas produções de jovens realizadores que foram destaque em mostras nacionais e internacionais, DEUS (2016), de Vinicius Silva, e Lúcida (2015), de Fábio Rodrigo e Caroline Neves.



PROGRAMA



Gênesis 22

Jeferson De, 1999

3’, cor, 16mm



Carolina

Jeferson De, 2003

14’, cor, 35mm



Lúcida

Fábio Rodrigo e Caroline Neves, 2015

16’, cor, digital



DEUS

Vinicius Silva, 2016

25’, cor, digital

sab e ter 16h
Sessão 2 | 8 e 11.9

Baseado em pesquisas e memórias pessoais, A negação do Brasil analisa a influência das telenovelas no estabelecimento de narrativas sobre a composição racial brasileira e nos processos de construção das identidades das populações afrodescendentes. O documentário inclui depoimentos de Milton Gonçalves, Ruth de Souza, Léa Garcia, Zezé Motta e Maria Ceiça relatando a luta de atores e atrizes negrxs pelo reconhecimento de suas contribuições na história da teledramaturgia brasileira. O filme ganhou o prêmio de melhor documentário brasileiro na edição de 2001 do festival É tudo verdade e, assim como o livro A Negação do Brasil - O Negro na Telenovela Brasileira (2000), resulta da tese de doutorado que o diretor realizou no Núcleo de Pesquisa de Telenovela da Escola de Comunicação e Artes da USP.




A negação do Brasil

Joel Zito Araújo (dir.), 2000 

90’, cor e p&b, 35mm

 

sab e ter 16h
Sessão 3 | 15 e 18.9

As próximas sessões do ciclo afro-atlântico do MASP filmes e vídeos irão apresentar três curtas-metragens que levantam o debate sobre a presença da mulher negra na atual produção audiovisual brasileira. Nesses filmes, a questão da representatividade se reflete tanto no que é apresentado em tela – personagens principais e personalidades retratadas – como nos bastidores, com a presença de diretoras negras em produções individuais, ou em parcerias.

A sessão de sábado (15.9) contará com um bate-papo com a diretora Day Rodrigues e o diretor Lucas Ogasawara comentando o filme Mulheres Negras: Projetos de Mundo. Entre os temas abordados, os diretorxs compartilharão algumas reflexões sobre representatividade no meio audiovisual brasileiro. 



Rainha

Sabrina Fidalgo (dir.), 2016

30’, p&b, digital



Dia de Jerusa

Viviane Ferreira (dir.), 2014 

20’, cor, digital(?)



Mulheres Negras: Projetos de Mundo

Day Rodrigues (dir.) e Lucas Ogasawara (dir.), 2016 

25’, cor, digital



SERVIÇO



15.9: exibição e bate-papo com Day Rodrigues) 

18.9: exibição 

Sábado e terça, às 16h

Pequeno auditório do MASP (capacidade para 80 lugares)

Retirada de ingressos a partir das 14h, diretamente na bilheteria

Sessões gratuitas

Todos os filmes serão exibidos em projeção digital

Classificação indicativa: livre



Organização: Leonardo Matsuhei - Mediação e programas públicos MASP

sab e ter 16h
Sessão 4 | 22 e 25.9

Histórias afro-atlânticas: filmes e vídeos exibe o documentário Balé de pé no chão: a dança afro de Mercedes Baptista, dirigido por Lilian Solá Santiago e Marianna Monteiro. O filme acompanha a trajetória de Mercedes Baptista, a primeira mulher negra a integrar o corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Considerada a principal precursora da dança moderna afro-brasileira, a bailarina – de formação erudita – sistematizou um repertório de movimentos baseados nos gestos sagrados dos terreiros de candomblé.



Na década de 1950, a artista fundou o Ballet Folclórico Mercedes Baptista, dedicado à formação de bailarinos negros e à incorporação da cultura afro-brasileira nas pesquisas em dança inspirada em suas experiências com o Teatro Experimental do Negro, fundado e dirigido por Abdias Nascimento – que participa do documentário com depoimentos históricos.



PROGRAMA



Balé de pé no chão: A dança afro de Mercedes Baptista

Lilian Solá Santiago (dir.) e Marianna Monteiro (dir.), 2005

51’, cor, digital

sab e ter 16h
Sessão 5 | 29.9-2.10

Abolição

Zózimo Bulbul (dir.), 1988

150’, cor e p&b, 35mm

 

sab e ter 16h
Sessão 6 | 6 e 9.10

Alma no Olho

Zózimo Bulbul (dir.), 1974 

12’, p&b, 35mm



O catedrático do samba

Noel dos Santos Carvalho e Alessandro Gamo, 1999, 

24’, cor, 16mm



Abá

Raquel Gerber e Cristina Amaral, 1992  

16’, cor, 16mm



O Rito de Ismael Ivo

Ari Candido Fernandes , 2003 

12’, cor, 35mm

sab e ter 16h
Sessão 7 | 13 e 16.10

CONAKRY

Filipa César, Grada Kilomba e Diana McCarty, 2016 

10’, cor, 16mm



Mortu Nega

Flora Gomes, 1988

92’, cor, 35mm





 

sab e ter 16h
Sessão 8 | 20 e 23.10

Afrique-sur-Seine

Jacques Mélo Kane, Paulin Soumanou Vieyra e Mamadou Sarr, 1955, 

21’, p&b, 16mm



La Noire de... 

Ousmane Sembène, 1965, 

55’, p&b, 35mm