MASP

Djanira: a memória de seu povo

Organizadores:

Adriano Pedrosa; Isabella Rjeille; Rodrigo Moura


Autores:

Adriano Pedrosa; Carlos Eduardo Riccioppo; Clarival do Prado Valladares; Flávio Aquino; Frederico Morais; Isabella Rjeille; Kaira M. Cabañas; Lélia Coelho Frota; Luiza Interlenghi; Marc Berkowitz; Mário Pedrosa; Rodrigo Moura


Capa dura, 21,4x28,3x3,2cm, 312p, português, MASP, 2019


R$139


ISBN 978-85-310-0064-5


Esta é a mais ampla monografia dedicada à obra de Djanira da Motta e Silva (Avaré, São Paulo, 1914 – Rio de Janeiro, 1979) e acompanha uma grande exposição dedicada à artista no Museu de Arte de São Paulo – MASP e no Instituto Casa Roberto Marinho, no Rio de Janeiro. Autodidata, de origem trabalhadora e ascendência indígena, a artista surgiu no cenário de arte brasileira nos anos 1940. Embora tenha trilhado sólida carreira em vida, nas últimas décadas Djanira foi colocada de lado nas narrativas oficiais da história da arte brasileira. Esta mostra e seu catálogo buscam examinar o papel fundamental da artista na formação da visualidade brasileira e reposicioná-la na história da arte do século 20. O título <em>Djanira: a memória de seu povo</em> – emprestado de uma reportagem dos anos 1970 de Mary Ventura – refere-se à trajetória da artista, à sua história de vida e suas muitas viagens pelo Brasil, bem como sua pintura profundamente engajada com a realidade à sua volta. No caso de Djanira, falar em memória remete ao extraordinário imaginário que a artista criou com base na vida cotidiana, nas paisagens e na cultura popular brasileira, em torno de assuntos frequentemente marginalizados pelas elites.