MASP

Tudo acaba em um remix: a colagem como modo de pensar as imagens

Horário
19H – 21H
Duração do Módulo
ONLINE
9 – 16.7 e 23 – 30.8.2024
TERÇAS
(4 AULAS)
Investimento

PÚBLICO GERAL
5X R$ 54
AMIGO MASP
5X R$ 45,5

*VALORES PARCELADOS NO CARTÃO DE CRÉDITO
Professores
Daniele Queiroz
O objetivo do curso é investigar a colagem não apenas como um procedimento técnico, mas como um método de construção e ordenação de significados teóricos e visuais na cultura dos séculos 20 e 21. Ao longo dos encontros, vamos analisar o uso de remix e colagens, suas implicações e contradições desde seus usos mais conhecidos na pintura, cinema e música, com ênfase no campo fotográfico. Vamos entender o uso de arquivos fotográficos públicos e familiares na criação de colagens e o que essa metodologia nos informa no campo de disputa da arte. Para tanto, olharemos o trabalho de Paulo Bruscky, Grete Stern, Gê Viana, Silvana Mendes, Ventura Profana, Neo Matloga, Lorna Simpson, Alanna Fields, Gavin Jantjes, Igi Ayedun. Também investigaremos diários e publicações que têm a colagem como forma de criação, como os cadernos de Hudinilson Jr. e Arthur Jafa, além dos livros de Carmen Winant e Justine Kurland. Por fim, discutiremos como a colagem fotográfica se desprende da bidimensionalidade e molda o espaço, através dos trabalhos de Sonia Boyce, Val Souza, Frida Orupabo e Lebohang Kganye.


IMPORTANTE
As aulas serão ministradas online por meio de uma plataforma de ensino ao vivo. O link será compartilhado com os participantes após a inscrição. O curso é gravado e ficará disponível aos alunos durante cinco dias. Os certificados serão emitidos para aqueles que completarem 75% de presença.

----

O MASP, por meio do apoio da VR, oferece bolsas de estudo para professores da rede pública em qualquer nível de ensino.

Planos de aulas

Aula 1 – 9.7.2024
Colagem: uma história do remix na cultura das imagens 

A colagem será abordada como um procedimento conceitual com trechos do documentário Everything is a remix, de Kirby Ferguson. Investigaremos as coreografias políticas que a colagem faz nos campos da cultura, na pintura, no cinema e na música, com ênfase na fotografia. Serão apresentados trabalhos de Paulo Bruscky, Lorna Simpson, Gavin Jantjes, Grete Stern e Igi Ayedun.  

Aula 2 – 16.7.2024
A colagem como costura de arquivos públicos e familiares

Analisaremos a prática da colagem em relação com acervos fotográficos, públicos e familiares, na reconstrução de uma história da arte e da cultura. A partir de trabalhos de Gê Viana, Ventura Profana e Silvana Mendes, vamos olhar para algumas iconografias produzidas no Brasil nos séculos 18 e 19 e como tais artistas a provocam e atualizam. No campo dos acervos íntimos e familiares, olharemos para Rosana Paulino e Alanna Fields.  

Aula 3 – 23.7.2024
A colagem nas publicações: diários e cadernos de artistas 

Vamos analisar os cadernos de artista de Hudinilson Jr. e Arthur Jafa, olhando a colagem como procedimento cotidiano e contínuo de criação de significado. Além disso, entenderemos como a colagem é utilizada nos livros de Carmen Winant e Justine Kurland, onde a fotografia é coletada e colecionada a partir de outras publicações para dar origem a seus trabalhos.   

Aula 4 –30.7.2024
Uma abordagem espacial para as colagens

Aqui nos interessa entender como as colagens invadem e se utilizam do espaço físico. Utilizando a fotografia como modo de construção espacial em um pensamento que flerta com o teatro, vamos analisar algumas imagens dos trabalhos de Sonia Boyce, Neo Matloga, Val Souza, Frida Orupabo e Lebohang Kganye.

Coordenação

Daniele Queiroz é curadora, pesquisadora e educadora. Possui mestrado em Representações e Imaginários pela FAU-USP, onde também se graduou. É curadora-assistente no departamento de Fotografia Contemporânea no Instituto Moreira Salles e fundadora do projeto A história é outra, plataforma que abarca estudos curatoriais e práticas artísticas no campo da fotografia, olhando para corpos excluídos da historiografia oficial. É co-curadora das exposições Entre nós: Dez anos de Bolsa ZUM/IMS (2023), parceria entre o Instituto Moreira Salles e o Pivô, Constelações latinas: encontros em fotolivros (2022) e Realidade e corrosão: fotolivros japoneses contemporâneos (2022) no IMS. Atuou na equipe curatorial da exposição Daido Moriyama: uma retrospectiva (2022), Palavras Cruzadas (2021), de Miguel Rio Branco e faz o acompanhamento curatorial dos selecionados pela Bolsa ZUM/IMS desde 2020.

Conferencistas