MASP

ESTUDOS
CRÍTICOS

Em diferentes dias da semana, de modo presencial ou on-line, o MASP Escola oferece os cursos de Estudos Críticos, módulo que aborda tópicos específicos da cultura contemporânea. Cada curso tem duração mínima de 8 horas, ou quatro aulas de duas horas cada uma.
De programa intensivo, o módulo tem como objetivo ser um espaço de debate sobre as intersecções entre a arte e as questões políticas e sociais de peso na atualidade. As aulas também transitam pelos assuntos propostos pelos ciclos temáticos que pautam o programa de exposições do museu a cada ano.
A matrícula pode ser feita de maneira independente em cada um dos cursos.

Tarsila do Amaral, Autorretrato com vestido laranja, 1921, comodato MASP Banco Central.

MODA, MODERNIDADE E MODERNISMO NA SEMANA DE ARTE DE 22

com Brunno Almeida Maia
14 – 30.6.2022 | ONLINE
19h – 21h30

O curso tem como perspectiva a análise da apropriação da moda como pertencimento e distinção no casal Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade, a modernização da metrópole de São Paulo, e a emergência de uma cultura do consumo e da sociabilidade no período, as influências dos modos de vestir nos artistas da Semana de Arte de 22, e seus diálogos com os movimentos modernistas – futurismo italiano, fauvismo e o dadaísmo – que propuseram à época “roupas de artistas”.

Partindo do movimento de 22, o curso refaz as origens dos modos de vestir no Brasil de 1500 ao século 19, as influências europeias, da diáspora negra e dos povos originários, e a subjetivação desses indivíduos pelo europeu por meio do conceito de “colonização da aparência”. 

 

Eustáquio Neves, Sem título, da série Memória Black Maria, 1995, acervo MASP, doação Pirelli, 1996.

Palavra, corpo e imaginário: artes pretas e conflitos estéticos no Brasil

com Allan da Rosa
6.6 – 4.7.2022 | ONLINE
19H30 – 22H

O curso traça relações entre literatura, artes plásticas e jogos de corpo. Serão esmiuçados os fundamentos estilísticos, poéticos e políticos africanos e afro-brasileiros, comparando-os aos ditames oficiais brasileiros e das escolas alinhadas a matrizes coloniais europeias. Para isso, o curso iniciará com as cismas ancestrais, dilemas contemporâneos e obras que atravessam ciclos temporais, atentos a dissonâncias, mesclas e revides pulsantes nas artes negras, bem como serão estudadas as possibilidades conceituais do que seja estética, considerando forma, contexto, cosmossensibilidade e expressão.

 

Aleijadinho (Antônio Francisco Lisboa), São Francisco de Paula, 1760-1780, madeira policromada e metal, 83x35x25cm, acervo MASP

Barroco brasileiro: leituras trans-históricas

com Mateus Nunes
9.5 – 27.6.2022 | ONLINE
19H – 21H

Este curso busca apresentar e discutir o panorama do barroco brasileiro de forma trans-histórica, entendendo-o sobretudo como uma forma de pensar, uma operação artística que reaparece sintomaticamente em alguns momentos das histórias brasileiras. Analisando as dinâmicas de colonização e da recepção de modelos europeus em terras brasileiras, busca analisar a produção de pintura, escultura e arquitetura no Brasil no século XVIII. Em um segundo momento, discute sobre a valorização patrimonial do barroco brasileiro já no século XX, especialmente quanto à consolidação de uma identidade cultural brasileira híbrida em torno da Semana de Arte Moderna de 1922 e da criação do SPHAN (Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 1937. Em um terceiro recorte, discute as reverberações contemporâneas do barroco quanto ao engano, ao exagero, à ambiguidade, à carne, à colonização e à inquietude, materializadas nas obras de artistas contemporâneos brasileiros sob uma perspectiva decolonial.

 

Dalton Paula, Zeferina, 2018, acervo MASP, doação do artista, no contexto da exposição Histórias Afro-Atlânticas, 2018

Intelectuais negras brasileiras: interesses especulativos e interconexões culturais

Com Maria Fernanda Novo
2.5 – 31.5.2022 | ONLINE
19H – 21H

A produção de intelectuais negras brasileiras é marcada pela interação de seus interesses especulativos com o campo da arte e cultura brasileira em suas diversas manifestações. Esse traço comum é chave para compreender a contribuição destas mulheres para construção de um campo metodológico em que estudo e pesquisa não estão apartados da realidade cultural, social e política na qual vivem ou que constituem seus domínios de interesse. Nos últimos 50 anos esta produção se tornou consistente e representativa dos diversos caminhos teóricos percorridos por intelectuais como Lélia Gonzalez, Beatriz Nascimento, Leda Maria Martins, Denise Ferreira da Silva, cujos percursos teóricos serão apresentados neste curso, que também conta com a participação de abigail Campos Leal, representante de uma nova geração que estabelece diálogo entre filosofia e arte.


 

Anteriores