MASP

TRISHA BROWN: COREOGRAFAR A VIDA

Esta é a primeira exposição individual na América do Sul dedicada à coreógrafa, dançarina e artista pioneira Trisha Brown (Patricia Ann Brown, Aberdeen, Washington, Estados Unidos, 1936 – San Antonio, Texas, Estados Unidos, 2017), e inclui trabalhos produzidos entre 1963 e 2005. A mostra, que inaugura o ciclo de Histórias da dança no museu, reúne um conjunto de 156 obras: fotografias e filmes de coreografias realizadas por Brown e sua companhia, a Trisha Brown Dance Company, formada em 1970, assim como desenhos e partituras/diagramas que representam suas danças.

Brown radicalizou essa arte a partir dos anos 1960 de diferentes maneiras: com a ênfase no improviso como meio de criação, com a inserção da dança no cotidiano e com a incorporação de movimentos comuns do dia a dia em suas coreografias — daí a inspiração para o título dessa exposição, Coreografar a vida. O Judson Dance Theater (1962-1964), coletivo que Brown integrou em Nova York ao lado de artistas como Yvonne Rainer e Steve Paxton, realizava performances não convencionais que buscavam uma ruptura com as tradições rígidas e dogmáticas das práticas da dança clássica e moderna. Como parte dessa geração, Brown levou o seu trabalho para fora dos lugares habitualmente destinados aos espetáculos de dança (por exemplo, o palco de teatro), criando peças para espaços urbanos como telhados de prédios, estacionamentos e parques.

A exposição foi dividida em oito núcleos, pensados a partir de seus conceitos e linhas de trabalho: “Corpo democrático”, “Contra a gravidade”, “Transmitir os gestos”, “Acumulações”, “Diagrama em movimento”, “Impulso contraditório”, “Máquinas de dança” e “Desenhar, performar”. Trisha Brown: coreografar a vida pretende evidenciar as complexas relações entre a dança e suas representações visuais — em vídeo, fotografia, desenho e notação. A mostra também considera o engajamento de Brown em combinar a dança com outras áreas do conhecimento (a matemática, a geografia, a arquitetura e as estratégias da arte conceitual).

Na área central da exposição, apresentamos uma coreografia fundamental de Brown, Floor of the Forest [Chão de floresta] (1970), que, durante a mostra, será performada às terças e sábados.

CURADORIA André Mesquita, curador, MASP

O ano de 2020 no MASP é dedicado às Histórias da dança, com exposições individuais de Hélio Oiticica, Trisha Brown, Senga Nengudi, Babette Mangolte, Teto Preto, Ana Pi, Edgar Degas, Naufus Ramírez-Figueroa e Beatriz Milhazes, bem como com a exposição coletiva Histórias da dança.

Outras exposições

Exposição

Acervo em transformação

O MUSEU ESTÁ FECHADO POR TEMPO INDETERMINADO
Exposição

Leonor Antunes: vazios, intervalos e juntas

O MUSEU ESTÁ FECHADO POR TEMPO INDETERMINADO