MASP

O lugar da imagem na literatura: moderna e contemporânea

Horário
19h-21h30
Duração do Módulo
2, 3, 4, 5 e 6.3.2020
SEG-SEX
5 aulas
Investimento

público geral 
5x R$ 112,00*
amigo masp
5x R$ 95,20*
*PARCELAMENTO APENAS EM CARTÃO DE CRÉDITO

Coordenação

Veronica Stigger

O curso busca compreender os diferentes modos como a imagem migra para o âmbito da palavra através do exame de certos trabalhos de alguns escritores modernos e contemporâneos, como Stéphane Mallarmé, Augusto de Campos, Décio Pignatari, Valêncio Xavier, Alexandra Lucas Coelho, Sophie Calle, Roberto Bolaño, Mario Bellatin, W. G. Sebald. 

Embora existam antecedentes desde a Antiguidade para esse contágio de duas mãos entre palavra e imagem (por exemplo, os poemas figurados, desde a Grécia de Símias de Rodes, passando por momentos de renovação desta tradição na Idade Média e no período barroco), a síntese entre literatura e artes visuais parece se fazer explícita e programática apenas no final do século 19 e nas primeiras décadas do século 20. Pelo menos desde Mallarmé, a poesia se torna também uma arte do espaço, e não apenas do tempo, por meio da exploração visual da tipografia e da disposição das palavras na página. 

No Brasil, a incidência da palavra no campo da imagem e da imagem no campo da palavra se acirrou com os movimentos concretos iniciados na década de 1950 (veja-se a relação estreita entre os grupos Ruptura e Noigandres), para ter consequências profundas – e por vezes antitéticas com relação aos princípios concretistas – nas décadas seguintes. Serão vistos não apenas como se dá essa inserção da imagem e dos procedimentos imagéticos na literatura, mas também, por meio da noção de écfrase, estudaremos como se dá a reinvenção verbal de uma representação visual. Paralelamente, refletiremos sobre a apropriação de imagens não artísticas pela literatura, no limite entre documento e imaginação. 

Planos de aulas

Aula 1 - 2.3.2020
O efeito Mallarmé 

Será analisado como, desde Mallarmé, a literatura (em especial, a poesia) se torna ela também uma arte do espaço, e não apenas do tempo (segundo a conhecida distinção das artes proposta por G. E. Lessing), por meio da exploração da tipografia e da disposição da palavra nas páginas. Caso a estudar: Augusto de Campos e a poesia concreta. 

Aula 2 - 3.3.2020
A imagem como descrição

A partir da noção de écfrase, veremos como opera uma das possibilidades de transposição de uma representação visual para uma representação verbal. 
Caso a estudar: Roberto Bolaño, entre outros.

Aula 3 - 4.3.2020
A imagem fotográfica como falso documento

Como, em certos casos, os escritores lançam mão de fotografias para “autenticar” a suposta verdade do que está sendo dito. No entanto, não há verdade, apenas ficção. Deste modo, a imagem fotográfica acaba funcionando como expediente (e reforço) da própria ficção. 
Casos a estudar: Mario Bellatin, W. G. Sebald, Alexandra Lucas Coelho.

Aula 4 - 5.3.2020
A imagem como texto e contexto

Como os mais diferentes tipos de imagens — desenhos, fotografias, recortes de jornais etc. — se mesclam ao texto como parte constitutiva da narrativa e, portanto, inseparável da escrita? Casos a estudar: Valêncio Xavier e Décio Pignatari.

Aula 5 - 6.3.2020
Os romances de Sophie Calle

Analisaremos como, em trabalhos como Douleur exquise, a artista plástica e escritora Sophie Calle transforma suas obras visuais em livros que se aproximam do gênero romance, nos quais as imagens não existem sem as palavras. 

Coordenação

Veronica Stigger é escritora, crítica de arte, curadora independente e professora universitária. Possui doutorado em Teoria e Crítica de Arte pela Universidade de São Paulo (USP) e realizou pesquisas de pós-doutorado na Università degli Studi di Roma “La Sapienza”, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP) e no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Unicamp. É professora das Pós-Graduações em História da Arte, em Fotografia e em Práticas Curatoriais da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e coordena oficinas literárias em vários lugares. É autora de onze livros de ficção, entre os quais estão: Os anões (2010), Opisanie świata (2013), Sul (2016) e Sombrio ermo turvo (2019).

Conferencistas